terça-feira, 13 de agosto de 2013

Post Mortem

Sento em minha cama. Uma tragada após a outra.
Sinto tua falta.
Me levanto, visto uma calça e apago as luzes.
Posso ver apenas a cor dos teus olhos e a chama que incendeia o cigarro em meus dedos.

Ouço o bater das cortinas contra o vidro da janela.
Teus olhos estão mais perto, sinto tua respiração.
Um pedido de socorro, não teu, mas meu.
Tão perto em meus sonhos, mas tão longe no mundo real.
Sinto teu toque em meu braço. Teus dedos gelados.
Como doi, não consigo diferenciar a dor. Se ela provem de teus dedos mortos ou da sua ausência.

Teu corpo se materializa a minha frente. Sinto tua respiração.
Um beijo seco, quase morto. Uma palavra de adeus, não proferida pelos teus lábios sombrios, mas pela vida.
A vida nos separou, meu anjo.
Não posso sentir meu braço, muito menos o sangue que escorre de meus pulsos.

Sinto teu corpo sobre o meu, trocando caricias vindas do alem tumulo.
Um toque sobre o peito e um beliscão.

Fecho os olhos, as luzes se acendem.
O cigarro se apaga.

Te abraço com força. Enfim juntos.
Enfim juntos, meu amor.

- Lágrimas de Gasolina