sábado, 10 de agosto de 2013

Faz pouco tempo que estou aqui, mas acho interessante observar.

Sentado, largado, deitado, em pé. As posições variam e intercalam entre si por um destaque, mas são completamente insignificantes. O que importa, o que deve ser notado, é que eu nunca fui notado.

As vezes as pessoas simplesmente passam por cima de mim, ignoram-me a ponto de fingir que sou apenas um objeto inanimado. Pulam por minhas pernas esticadas, desviam de meus braços largados na sarjeta.

Por outras, alguns se incomodam a tal ponto com minha presença que fazem reclamações aos superiores, mudam de calçada. Alguns mudam o trajeto e nunca mais passa pela mesma rua.

Mas algumas... algumas poucas pessoas, sentem.
Sentem, retribuem. Se interessam.
Buscam, cavam e me notam.

Sabem que eu existo.

Esses tem seu lugar ao sol.

Mas para todos aqueles que não me enxergam como humano, e sim apenas como uma mensagem subliminar, logo ela irá procurá-los.

- Dedos Azuis