terça-feira, 23 de julho de 2013

Possuir

Ao som do mais remoto silêncio, ao tremor do mais tranquilo repouso, ouço seu nome sendo sussurrado, espalhado aos quatro ventos; como a mais bela canção de amor, ou a mais triste lágrima derramada.
Não sei se te amo, se te odeio. Te amar me faz odiá-la. E quando eu te odeio percebo o quanto te amo. 
Se eu seguro sua mão, em um movimento ríspido você a recolhe. Se você me abraça, sem demoras me afasto.
Quando me critica, sorri. E quando lhe irrito, sorrio. Pare de jogar. As fichas acabaram.
Ter você aqui, agora é um vicio.
Se te amo ou se te odeio? Não sei. Nunca vou saber.
Só sei que preciso de você aqui, e agora.
- Dedos Azuis