quinta-feira, 23 de maio de 2013

Pirofagia


Sentado em minha cama, apreciando os gritos ecoados vindos dos outros cômodos.
Sinto um arrepio enquanto brinco com a fumaça, o calor começa a tomar conta do aposento.
Os gritos estão altos. Ouço o fogo estalar.
Uma cinza cai no teclado onde datilografo os meus contos. As janelas estão trancadas. 
Me deito, paciente. Este conto não precisa de um fim mesmo.
Sinto uma brisa quente, a porta de madeira reluz a luz agradável e aconchegante do fogo.
Não ouço mais os gritos. A casa está em completo silencio, exceto pelo estalar contínuo das chamas.
Não preciso de cobertas, cruzo as pernas e olho para o teto.
De fato, aquele conto não precisava de um final decente mesmo.
Seria apenas mais um texto.
Agora, é só mais um monte de cinzas em meio aos escombros.
Destranco a janela.
Outras pessoas precisam conhecer meus contos.
- Lágrimas de Gasolina