domingo, 19 de maio de 2013

Crianças


Eu odiava crianças.

“Parem de gritar. Parem de bagunçar as coisas.”

Meu deus, como eu as odiava.

“Esses garotos ficam brincando na frente de casa. Não param um segundo, ficam gritando e gritando.”

“Saiam daqui, seus delinquentes.”

“Eles não respeitam os mais velhos, nunca.”

Como eu odiava crianças.

“Vão embora.”

A noite caía.

“Preciso descansar um pouco…”

“O que você está fazendo aí? Saia do meu gramado, muleque estúpido.”

“Não me faça descer aí. Vá embora.”

“Ai meu deus, o que eu fiz pra merecer isso. Essas crianças me enchendo á essa hora da noite.”

Corri pelas escadas, revoltado.

“Ei, muleque. Você sabe que horas são? Saia daqui, seu baderneiro.”

“Olhe para mim quando estiver falando com você.”

Naquela noite, ele olhou para mim.

“O que houve com o teu rosto? Que brincadeira é essa?”

“Como assim? Meu rosto está normal é o seu que é estranho.”

Lembro da sua língua escorrendo por entre seus lábios e saliva deslizava pelas suas orbitas.

“Que brincadeira de mau gosto, rapaz. Pare logo com isso!”

“Só é brincadeira se você também estiver participando.”

Todas as noites eu brinco com o garoto.

Eu adoro crianças.

- Lágrimas de Gasolina