terça-feira, 24 de março de 2015

Pútrido Ar

O ar mudou.
Não é o mesmo de antes. Certamente não é o mesmo de ontem, e sem dúvidas não é o mesmo de alguns anos atrás.
O ar não carrega mais a pureza que já carregou. Não carrega em pequenas partículas a estabilidade da vida. Não entorpece-nos de riso e alegria.
O ar, hoje, não é mais uma brisa agradável de verão. Não é um leve sopro em um cabelo aleatório.
Não.
O ar mudou, nada é mais como antigamente.
Hoje o ar é pútrido, cheio de ácaro.
O ar é sujo, e não só pelas partículas de poluentes.
O ar está impregnado com partículas que não possuem correspondentes na tabela periódica.
Carregado de cinzas espirituais, de sopros de desespero. Gritos de ódio, gritos de pavor.
Lotado de desapontamento e tristeza, com o cheiro da morte.
Hoje o ar leva apenas a agonia e a angustia.
E se você procurar bem, verá que não é de fábricas que este pútrido ar emana.
Ah, não...
Se procurar da maneira correta, verá que este ar provém do topo de uma montanha,
onde uma multidão perplexa e apática transpira um turbilhão de nada.
Os seres humanos exalam desespero, ódio, pavor. Regurgitam desapontamento e tristeza.
Morrem como se fosse o único fim esperado para uma vida de agonia e angustia.
E aquela maldita multidão, naquele maldito cume de montanha, poluindo o meu ar.
Poluindo o seu ar. O ar da sua mãe, o ar do seu filho.
Infelizmente, naquela multidão encontram-se todas as pessoas.
Sua mãe está ali, observando perplexa e apática. Seu filho também.
E todos eles, cada um que está lá polui o nosso ar pelo simples fato de serem humanos.
Tiram as cores, tiram a saturação, deixando-nos apenas com um cinza opaco.
Se antes era a base para a vida, hoje é apenas uma oxidação precoce dos nossos órgãos.
O ar mudou, e você também está no cume daquela montanha.
E a podridão que você exala também está matando-me mais rápido.

- Dedos Azuis