quarta-feira, 9 de abril de 2014

Derrota

Sabe do que as pessoas gostam?
Sabe do que eu gosto?
Eu gosto de você.
E você? Gosta de si?
E se eu fosse você?
E se essas pessoas fossem irrelevantes?
E se tudo o que aconteceu, não fosse?
E se as coisas tivessem sido diferentes?
Você olharia pelo reflexo do tempo com os mesmos olhos de antes?
Veria um futuro e sorriria?
Ou faria como muitos, abaixaria a cabeça e seguiria em frente?
Seguir em frente. Essa é a frase dita por muitos.
E se não seguir em frente fosse a chave?
A desistência, muitas vezes desencadeia novas probabilidades.
E se essas novas probabilidades dessem frutos?
Você os colheria ou os deixaria apodrecer?
E se apodrecessem? Desistiria novamente?
Até quando o desistir será encarado como derrota? Será que o mundo não vê que a desistencia ou a fuga pode ser encarada como uma nova chance? Uma chance de recomeçar?
As vezes os frutos do sucesso não são tão saborosos quanto os frutos que ainda não provamos, como saber?
Por isso eu digo, abra-se para novas probabilidades. Quebre tuas colunas e parta tuas correntes.
Liberte-se do conceito de vitoria e do conceito de derrota.
Cresça. Aprenda. Erre.
Parta. Fuja. Acovarda-te.
As vezes, a derrota não é o fim, mas sim, uma nova manhã para despertar e lutar.

- Lágrimas de Gasolina, o covarde, o fugitivo, o derrotado. Pronto para voltar e lutar, sempre.
Boa noite.