segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Fogo

Ontem pela primeira vez chorei.
Lagrimas incandescentes.
Lágrimas escuras e lagrimas pálidas.
Elas deslizaram pela minha bochecha durante o véu noturno.
E caíram sobre o colchão molhado.
Molhado pela chuva da tarde que passou.
Jamais erre, jamais viva pelos outros.
Mas acima de tudo não impeça que os outros vivam.
As pessoas precisam de tempo
As relações precisam de espaço
Mas não de tanto espaço assim
Outra lagrima
Amanha amanhecerei com o edredom em brasas
Melhor do que uma corda enrolada no meu pescoço
Melhor do que ter a espinha quebrado num mergulho de aguas rasas
Apenas pare de pensar no que foi e no que sera
Apenas viva a droga do momento, ela disse.
Não posso.
É contra minha natureza.
Preparar, apontar. Fogo.

- Lágrimas de Gasolina