domingo, 19 de maio de 2013

Instinto


“Por que você voltou?”

“Eu não voltei, pois nunca parti. Eu faço parte de você.”

“Não, eu não sou assim. Você não pode me dizer o que fazer.”

“Sim, eu posso e vou. Você precisa de mim e você vai fazer exatamente o que eu disser.”

“Não, não vou.”

“Está sentindo esta dor, Adam? Isso é fome, algo que um rapaz tão bem de vida como você nunca sentiu.”

“Eu já senti fome, mas não dessa maneira, não nessa intensidade.”

“Só restam vocês três, Adam. Você sabe que você não pode sair daqui. A cidade está um caos. A comida acabou. A ajuda abandonou os necessitados. Me aceite.”

“NÃO”

“Natalie está no outro quarto e aquele rapaz está logo ali, qual é mesmo o nome dele? Não importa. Mate-o.”

“NÃO”

“Vá, Adam. Natalie não vai ouvir nada. Mate-o e sobreviva ou a dor só vai aumentar e você perecerá.”

“N-NÃO”

“ADAM. Você morrerá e Natalie ficará sozinha. Ou pior, com ele. Mate-o.”

“Isso, Adam. Aproxime-se. Mate-o e alimente a sua dor. Sua fome.”

“Saboroso, não é mesmo? Coma. Coma até que sua fome seja saciada.”

“Satisfeito?”

“S-sim.”

“Está sentindo isso, Adam? Esta sentindo isso? É algo que precisamos saciar, não é mesmo?”

“Talvez Natalie possa ajudar.”

- Lágrimas de Gasolina